quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Supere a Anorgasmia com a Hipnose Clínica

A anorgasmia acontece na medida em que há uma incapacidade da mulher em obter orgasmo no ato sexual ou mesmo na auto-manipulação. A mulher consegue uma lubrificação normal e sente-se excitada sexualmente, ou seja, tem todas as respostas necessárias para que o ato sexual aconteça, podendo até mesmo ter a relação com o parceiro ou a masturbação, porém não consegue obter o orgasmo, ou qualquer outra sensação de prazer.



Existem casos de anorgasmia em que a mulher consegue ter o orgasmo com a manipulação, o que pode levar ao distanciamento de parceiros, namorado ou marido, acarretando em dificuldades na relação amorosa. Além disso, a mulher pode não ter a satisfação que teria com o ato sexual em si, trazendo um mal-estar e a sensação de falta.

As causas podem ser diversas, como a educação sexual adquirida, ter sido molestada na infância ou mesmo adolescência, no caso de ter sido molestado influencia a forma como isso aconteceu, se foi apenas pelo toque sem a penetração, essa experiência poderá continuar quando a vida sexual propriamente dita se iniciar. Muitas vezes a falta de conhecimentos do próprio corpo, uma repressão bastante forte, a privação de informações a respeito do sexo e a falta de liberdade para abordar o assunto. Falta de comunicação entre o casal, como uma conversa sobre o que dá mais prazer um ao outro e aprender a conhecer o próprio corpo e suas zonas erógenas. Esses são fatores que podem influenciar na causa do problema.


A hipnose poderá ajudar a desbloquear essa energia sexual em potencial, para que a mulher tenha uma satisfação plena em suas relações sexuais. Tanto suprindo de informações sobre o problema e as soluções para isso, como trabalhar internamente as sequelas causadas pelo problema, para que possa haver uma ressignificação interna dos fatos relacionados ao ato sexual, podendo assim ter prazer sexualmente.


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

04 de setembro - Dia Mundial da Saúde Sexual


No dia 4 de Setembro celebra-se o Dia Mundial da Saúde Sexual, comemorado todos os anos pela Associação Mundial para a Saúde Sexual (AMSS) conhecida internacionalmente por WAS – World Association for
Sexual Health. Para entender a importância deste dia, é importante conhecer o conceito de saúde sexual e como este se aplica.

O que é a Saúde Sexual?
Segundo a AMSS e a OMS (Organização Mundial de Saúde), define-se por Saúde Sexual o estado físico, emocional, mental e social em relação à sexualidade, não se tratando apenas da ausência de doença ou disfunção.
A saúde sexual requer assim uma abordagem positiva da sexualidade e das relações sexuais, permitindo obter prazer ao mesmo tempo que se vive uma experiência sexual segura e livre de discriminação.

Factores que podem influenciar a sua Saúde Sexual
A sexualidade deve ser vivida em pleno, mas também com consciência, pelo que é fundamental conhecer que principais métodos contraceptivos existem e de que forma se podem prevenir doenças e infecções
sexualmente transmissíveis. Estas não só podem ter um impacto negativo na sexualidade do casal, como podem levar a sintomas desagradáveis e a consequências graves como a infertilidade.

As doenças sexualmente transmissíveis não são as únicas a afectar a sexualidade, com a disfunção sexual feminina e masculina a influenciarem cada vez mais a capacidade de sentir prazer durante a relação
e o desejo sexual. Nos homens, para além do baixo desejo comprometer a sua vida sexual, a ejaculação precoce e a disfunção eréctil são condições que muitas das vezes afectam a sua performance sexual,
tendo um forte impacto psicológico no homem e consequentemente um impacto negativo na vida do casal. Nas mulheres, a menopausa é frequentemente marcada por desconforto durante o sexo,
sendo prevalentes os sintomas como a secura vaginal e o ardor, motivados pelas alterações hormonais nesta fase.

Limitar estes fatores é assim fundamental para uma vida sexual saudável, livre de preconceitos e repleta de boas experiências. Celebre este dia da melhor forma.

Fonte: https://www.121doc.com/pt/blog/sexualidade

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

13 passos para saber se você tem um sexo de tirar o fôlego



Muito se fala de noite inesquecível, transa maravilhosa, sexo sensacional. Mas quais os ingredientes que são necessários para ter o prazer máximo na hora H?
A especialista em sexualidade do programa Mulheres Bem Resolvidas, Cátia Damasceno listou 13 passos para se ter uma sexo literalmente bem feito!

1º Iniciativa – Isto é muito importante! Primeiro de tudo tem que ter iniciativa. Um dos sinais que a vida sexual é saudável é quando a mulher e seu parceiro tomam a iniciativa na hora da cama e demonstram claramente que estão com vontade, e desejam um ao outro. É claro que, quando eu falo em tomar a iniciativa, não necessariamente significa que alguém tenha que pular em cima do outro com unhas e dentes, mas que com o passar do tempo o casal se conhece e identifica os sinais que o parceiro demonstra quando está afim.

2º Frequência sexual – Muitas pessoas me perguntam sobre a frequência ideal do sexo. Na verdade não há. Tem casais que se satisfazem com uma transa por semana, gente que precisa de um pouco mais. O desejável é conversar sobre isso com o parceiro e estar feliz e satisfeita.

3º Preliminares – Muita gente acha que preliminares são apenas 3 ou 4 minutinhos que só serve para “pegar nas coisas”. Não, gente! Preliminares são atos sexuais que antecedem o sexo e preparam todo o clima para a hora H. Para as mulheres é algo fundamental para ficar mais relaxada e conseguir se entregar com tesão para a transa. Beijo, toque nas zonas erógenas, uso de brinquedos eróticos, massagem, sexo oral, masturbação. Tudo isso pode ser usado durante as preliminares. Deixe a imaginação fluir e aproveite!

4º Com língua - Sexo oral bem feito tem que ser com vontade. Diversos bloqueios podem prejudicar essa hora que deve ser de muito tesão. Medo de fazer errado, nojo, dificuldade de excitação de si mesmo... Mas já está mais do que na hora de superar essas barreiras e entender melhor tanto o seu corpo quanto a sua capacidade de proporcionar prazer. Você, como mulher bem resolvida, precisa lembrar-se constantemente que é dona do próprio corpo e capaz de decidir o que tem vontade!

5º Liberdade na cama – O casal tem que ter a liberdade de falar abertamente de sexo e conversar o que gostam, pedir o que tem vontade e falar se há algo incomodando. Portanto, solte-se na cama! A mulher tem que ir atrás do seu prazer e o sexo não é hora para ter vergonha.



6º Massagem tântrica – Esta prática existente há mais de 5 mil anos tem o objetivo de estimular o autoconhecimento e assim o próprio prazer com alcançando o prazer mais intenso. Por meio de estímulos corporais que expandem a energia orgástica, a massagem tântrica desenvolve o lado terapêutico do prazer. Uma dica para iniciar hoje essa prática, escolha um óleo de massagem que provoque a sensualidade. Crie também um clima para a massagem, com luz baixa e uma música relaxante.

Com seu parceiro deitado de bruços, massageie o corpo dele dos pés até a nuca, controlando também sua respiração. Os movimentos devem estimular as zonas mais sensíveis e erógenas, como virilha, bumbum, coxas e orelhas. Faça tanto movimentos mais fortes quanto toques leves com as pontas dos dedos.

7º Posições sexuais – para esquentar ainda mais o clima com parceiro, diferenciar as posições sexuais pode ser uma jogada e tanto. Assim é possível descobrir novas sensações juntos, viver novos desafios e também reforça a intimidade. Uma posição para iniciantes é se ajoelhar ao redor da cabeça do homem para que ele faça sexo oral na parceira enquanto ela conduz os movimentos segurando os cabelos e a nuca do parceiro.

8º Erotismo – Hoje em dia já é mais comum pornografia para mulheres que sentem um pouco de vergonha ou que não se interessam pelos materiais convencionais. O conteúdo erótico estimula a imaginação, as fantasias e inclusive pode ser inserido nas preliminares. Pode ser filme, livro, ou uma conversa erótica. O importante é inovar!

9º Dirty talk – Para quem não conhece “dirty talk” é aquela conversa com “safadezas”. Sexo em silêncio é monótono demais! É preciso dos gemidos para saber como está a temperatura da transa. Mas calma! Se a mulher nunca falou nada de mais ousado no sexo para o parceiro, não pode chegar e chocar, até para não soar agressivo para o outro. Mas é interessante começar aos poucos, colocando algumas palavrinhas, gemidinhos... algumas insinuações ao longo do tempo.

10º Sexo anal – É tabu, eu sei! Mas necessário falar para deixar de ser! Muitas relutam em fazer sexo anal porque acham nojento, algumas têm receio porque imaginam ser dolorido demais, outras tantas simplesmente nem cogitam a hipótese. Mas, acredite, uma mulher que libere e, mais que isso, curta fazer sexo anal, está em vantagem com relação às outras.

11º Mapa sexual - A transa não pode ser somente penetração. Estimular as zonas erógenas tem que estar no roteiro. Pescoço, nuca, parte interna das coxas e antebraço, coluna e costas são lugares que não podem ser esquecidos, seja mulher ou homem.

12º Brinquedinhos – Os brinquedos sexuais podem deixar a relação sexual muito mais prazerosa. Aí é de casal para casal que tipo de acessório usar. Pode ser mais simples como algema se anéis penianos até os mais ousados como como as bolinhas tailandesas e vibradores.

13º Clímax – O orgasmo é o ápice do prazer. Um sentimento de relaxamento profundo e promove sensações diferentes para pessoas diferentes. E como alcançar o orgasmo? Se seguir os 12 passos anteriores não tem erro!




Fonte: Com informações do Mulheres Bem Resolvidas

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Ressecamento vaginal: conheça as causas e sintomas



Em algumas fases da vida, a mulher pode ter problemas com a falta de lubrificação vaginal, e isto pode gerar problemas na vida sexual e principalmente emocional. O ressecamento atinge principalmente mulheres que estão na menopausa ou pós-parto, e a principal razão é a redução na produção do estrogênio, hormônio feminino, pelo organismo. Outro motivo para a falta de lubrificação são os tratamentos contra o câncer, como quimioterapia e radioterapia, que também afetam a produção do estrogênio.

Os principais incômodos desencadeados pelo ressecamento vaginal são coceira, queimação ou irritação na vagina, diminuição da elasticidade e dores durante as relações sexuais. Algumas mulheres utilizam de lubrificantes para o alívio dos sintomas, entretanto a solução é temporária e não resolve a principal causa do problema.

Para entendermos um pouco mais sobre o assunto e tirar dúvidas, conversamos com o ginecologista e obstetra, Dr. Rogério Bonassi Machado. Confira abaixo!

Ter um simples ressecamento vaginal pode ser sintoma de algo mais sério? Quais doenças?
Não. O ressecamento vaginal é uma consequência da baixa produção de estrogênio pelo organismo. Normalmente ocorre em algumas fases da vida da mulher, como por exemplo na amamentação e na menopausa. Outras situações referem-se ao uso de alguns medicamentos ou tratamentos, como a quimioterapia ou a radioterapia.

Qual a porcentagem de mulheres na menopausa atingidas pelo ressecamento?
Existe alguma maneira de ser evitado?

No primeiro ano da menopausa mais de 20% das mulheres sofrem com o ressecamento vaginal. Após o terceiro ano o percentual ultrapassa 45%, o que pode interferir na saúde sexual e qualidade de vida dessas mulheres.
Sim. A prática de atividade sexual regular colabora com o aumento do fluxo de sangue para a vagina que promove a lubrificação e evita o ressecamento. A terapia de reposição hormonal começada na época certa (logo no início da menopausa) é também um fator protetor do ressecamento vaginal. No entanto, nem todas as mulheres podem usar a terapia hormonal.

Quais dicas médicas podem ser dadas para as mulheres que sofrem com o problema?

É importante que as mulheres saibam que o ressecamento vaginal não é algo normal, e precisa de atenção para que não evolua para um quadro mais sério. Para aliviar os sintomas, as opções são o uso de lubrificantes no momento da relação ou de hidratantes intravaginais, que podem ser utilizados em qualquer momento do dia e restauram a lubrificação natural. Os estrógenos locais, como o promestrieno e o estriol, também podem ser utilizados. 

Fonte: http://mulhercomsaude.com.br/saude-da-mulher/ressecamento-vaginal-conheca-as-causas-e-sintomas/
Continua abaixo 👇👇👇


Com toda essa informação acima, agora imagine associar o benefício de um lubrificante com um poder hidratante, tonificante e cicatrizante? Este é Hidra Confort, um lubrificante íntimo com os benefícios do ácido hialurônico e da Centella Asiática.

Pode ser aplicado diariamente como hidratante vaginal nas mulheres com queixa de atrofia e ressecamento íntimo ou durante a relação vaginal ou anal.

Perfeito para aquelas que sentem dor durante a relação sexual pois ajuda a regenerar a mucosa mais facilmente.

Pode ser usado como tratamento principalmente para quem tem atrofia ou está em tratamento fisioterapêutico.

Se você precisa adquirir este produto, entre em contato pelo whats (85) 9 9680.3080 e digite o código C.I.HIDRA para ganhar um brinde especial na compra do seu Hidra Confort.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

SEX COACH: O QUE É UM COACH EM SEXUALIDADE E RELACIONAMENTO?

Quebrar tabus, superar a timidez ou outras dificuldades e, assim, ter uma boa vida sexual. O sex coach é uma espécie de educador que ensina tudo isso. Se você ainda não conhece o termo, saiba mais sobre a profissão que tem ajudado muita gente a ser mais realizada na intimidade.

Um detalhe interessante é que, na maioria dos casos, o sex coach atende às mulheres. O público feminino está cada vez mais atento a questões como orgasmo, dar e sentir prazer e ficar à vontade com o próprio corpo. Ou seja, hoje, elas tomam as rédeas de si mesmas em vários sentidos.

O sex coach auxilia na missão de não esperar mais somente que o parceiro proporcione prazer, descubra o que deixa a pessoa subindo pelas paredes. E também serve para quem precisa desenvolver habilidades como um striptease, mas tem vergonha.

Na prática, o orientador sexual ensina que autoestima é chave do sucesso de muita coisa que acontece na cama, e não o corpo ‘perfeito’ ou a idade certa.

Muitas vezes, uma boa dose de autoconfiança e truques simples são capazes de transformar alguém cuja timidez atrapalha em diversos aspectos. Com a vida sexual não seria diferente…

Entenda melhor a profissão de sex coach

Um coach em sexualidade e relacionamento é aquele profissional que ajuda o cliente a encontrar caminhos para favorecer sua vida sexual e seus relacionamentos.

Casado ou solteiro, o aluno aprende a deixar de lado certos mitos, preconceitos e mal-entendidos que prejudicam, causam bloqueios e dificultam algo que é tão natural – e importante. Afinal, sexo é um fator de felicidade e plenitude.

A profissão é recente no mercado, mas vem ganhando espaço, especialmente entre as mulheres, cada vez mais antenadas a tudo que acontece no universo da sexualidade.

O processo de coaching estimula o autoconhecimento, para que o aluno (chamado de coachee) alcance seus objetivos.

Ao contrário de um sexólogo, que cuida da sexualidade humana no geral, transtornos e tratamentos, o sex coach é um tipo de ‘personal da sedução’, que atende individualmente ou até em grupos. Alguns profissionais fazem atendimentos pela internet e ao vivo pelo Skype, também.

Ele estuda e trabalha assuntos que envolvem a relação sexual, porém, também trata de afetividade, erotismo, sensualidade, amor-próprio.

Técnicas para apimentar o relacionamento são um dos assuntos preferidos por quem procura um sex coach. No entanto, o profissional dessa área pode ainda abordar temas ligados ao toque, beijo, percepção corporal e vários outros.


A ideia é acolher, ouvir e estimular, para que o cliente fique bem em relação a seus desejos e anseios íntimos, normalmente guardados a sete chaves. Com isso, questões pessoais, muitas vezes deixadas no imaginário, acabam vindo à tona.

O sex coach é visto de maneira ‘estranha’ por boa parte da população. A causa frequente de tal desconforto é a falta de conhecimento a respeito da profissão.

Um sex coach é capaz de te ajudar positivamente em situações nas quais passamos por dificuldades ou desafios, como:


  • Dificuldade de comunicação – falta de clareza e amorosidade
  • Estresse
  • Fim de um relacionamento
  • Infidelidade
  • Mudança profunda de vida ou de situação financeira
  • Nascimento de um filho
  • Perda da atração física pelo parceiro/a
  • Problemas de saúde, incluindo os hormonais

Vivemos em tempos de muita exposição. O mundo moderno é cheio de aparências. Culturalmente, parecemos todos muito à vontade com tudo isso. Porém, a sexualidade ainda é um campo cheio de mitos, tabus, medo e vergonha. A aparente libertação sexual não é bem o que parece em muitas situações.

Um Sex Coach pode ser o caminho para entender melhor a si próprio e ser mais realizado. Torço para que o post de hoje possa contribuir de alguma forma para isso.

Precisa de uma Coach Sexual?
Entre em contato pelo whats e marque sua sessão gratuita - 85-996803080



Fonte: bocavirgem.com/sex-coach

quinta-feira, 18 de maio de 2017

O que são crenças sexuais limitantes?

Crenças sexuais limitantes, são um conjunto de mitos e ideias inadequadas acerca da sexualidade, que funcionam como fator de vulnerabilidade para o desenvolvimento das suas dificuldades na vida como um todo, especialmente em suas relações amorosas e sexuais.




Um homem que possua uma ou um conjunto de crenças errôneas acerca da sexualidade, é mais suscetível de desenvolver ideias catastróficas acerca das consequências de um eventual insucesso sexual. Perante as situações, homens com crenças elevadas nos mitos sexuais desenvolvem habitualmente ideias negativas acerca de si próprios e de suas parceiras.


Estas crenças e consequentes autoconceitos negativos não só predispõem estes homens para o desenvolvimento de dificuldades sexuais, como desempenham um papel central na manutenção do problema.


Numa obra dedicada às dificuldades orgásmicas, Heiman e LoPiccolo (1988), indicam um conjunto de mitos sexuais típicos de mulheres com disfunção sexual. Os mitos propostos não só integram crenças relativas ao conservadorismo sexual feminino: “mulheres com respeito não se excitam com material erótico“, “mulheres femininas não iniciam atividade sexual“, “o orgasmo vaginal é mais feminino e maduro do que o orgasmo clitoridiano“; como incluem dimensões de mitos relacionados com o papel da idade e beleza física na atividade sexual: “o sexo é só para mulheres com menos de trinta anos“, “a vida sexual da mulher acaba com a menopausa“; e crenças relativas a exigências de desempenho: “uma mulher normal atinge o orgasmo sempre que tem uma relação sexual“, “todas as mulheres são capazes de ter múltiplos orgasmos“, “uma mulher funcional consegue sempre excitar-se com o seu parceiro sexual“, “algo está errado quando uma mulher não consegue ter um orgasmo rápida e facilmente“.


De uma forma geral, é possível perceber que a crença em mitos sexuais errôneos podem estar na base do desenvolvimento de disfunções sexuais, quando o homem ou mulher se deparam perante um insucesso sexual. A desmistificação de alguns destes mitos tem um papel primordial para a manutenção de uma vida sexual saudável.


Alguns exemplos de crenças sexuais limitantes:

Há um profissional que pode ajudar nessa desmitificação de crenças e fazer com que sejam descobertas novas formas mais prazerosas de ver a sexualidade. Esse profissional é o Coach em Sexualidade, ou Coach Sexual.

Você conhece alguém que tem alguma dessas crenças? Compartilhe esta informação com ela. Com certeza irá ajudar alguém a achar um caminho para solucionar algumas dificuldades em sua relação íntima.



Fontes: Imagem 2 (celestepsicologa)
oficinadepsicologia.com/crencas-sexuais/
Editado e adaptado por Lana Mesquita

Você sabe o que é Coach? E mais, sabe qual é o papel de um(a) Sexcoach, Coach Sexual ou Coach em Sexualidade?

Coach é o profissional especializado no processo de Coaching que, com suas técnicas, ferramentas, conhecimentos e experiências, auxilia pessoas a conquistarem resultados desejados, de forma assertiva e acelerada.
Todo profissional pode tornar-se um Coach e utilizar seus conhecimentos para ajudar outras pessoas.

Para isso, entretanto, é preciso fazer uma formação numa instituição certificada e reconhecida internacionalmente. "Isso é importante porque somente numa escola específica, o futuro coach poderá aprender, na prática, como desenvolver seu trabalho e aprender sobre as diretrizes da profissão", informa José Roberto Marques, Presidente do IBC, Master Coach Senior e Trainer


E "um dos principais papeis de um(a) Coach Sexual, é auxiliar as pessoas a resgatarem sua autoestima, despertando o seu poder pessoal, incentivando-as com coragem, iniciativa, criatividade em busca de uma relação plena com suas escolhas sexuais, afetivas e em seus relacionamentos." informa Anaí Valentina Coach Sexual

"A Coach em Sexualidade vai conduzir o/a cliente para que descubra suas crenças sexuais limitantes desmistificando tais mitos para uma vida sexual mais satisfatória." Informa Lana Mesquita Coach em Sexualidade, Practitioner em PNL, Consultora Sensual desde 2008.

Fontes: IBC coaching e UPC Universidade de PNL e Coaching de SC
Editado e adaptado por Lana Mesquita

sábado, 22 de abril de 2017

1° dia com meu copinho da liberdade - Coletor Menstrual Asós

1° dia de uso do coletor


Quando apontou a menstruação fiquei toda feliz, porque sabia que já iria inaugurar meu tão sonhado coletor que, carinhosamente chamo de copinho da liberdade. Nunca fiquei tão feliz em ver a pontinha vermelha no papel higiênico, sem contar com aquelas vezes que ficamos apreensivas por causa de uma transa sem proteção. Ainda mais eu que não uso anticoncepcional por motivos pessoais, mas não vem ao caso.

Então corri no meu closet e peguei meu amado e desejado copinho e corri para o banheiro, tirei-o do saquinho de tecido lindo que o acompanha, lavei-o com meu sabonete intimo e fiz conforme as instruções. Coloquei ele na minha vagina carinhosamente, mas confesso que fiquei com receio de não ter colocado corretamente, só que como era o primeiro dia, se algo vazasse, só iria sujar um pouquinho e eu saberia que estaria errada a forma de colocar, e claro iria buscar mais informações, pois não seria possivel que todas as minhas amigas que já usavam, amavam e comigo não deveria ser difedente.

Tudo tranquilo. 1h depos fui ao mercado e caminhando sentia que ele estava lá... algumas poucas vezes tinha a sensação que algo iria sair de dentro de mim, mas fiquei tranquila. Fiquei com ele dentro por mais 4h até o banho pra dormir.

Fiz como me foi ensinado e aí me veio um medo.... Jesus o copinho vedou e não queria sair. Eu puxava a pontinha que tem nele justamente pra retirá-lo e nada de sair... trancou! Na hora me veio a cabeça: Como farei pra pedir ajuda, se o copinho entalar? Não tenho mais marido pra ajudar nessas horas (Nesse momento faz falta) E agora? E quanto mais eu puxava, mais ele entalava.

Fiz manobras de expulsão(pompoarismo) e foi aí que senti ele saindo, mas ainda assim aquele momento no box estava desafiante, mas já me dava um alivio em saber que ele sairia. Coloquei os dedos mais para dentro um pouquinho, segurei na base do copinho para retirar o vácuo(como pede na imagem acima) e puxei.... saiu!!! Uffa que alívio. Quando tirei parecia que tinha dado um vácuo e saiu na pressão, tanto que derramou um pouco do sangue que já estava lá. Tinha mais ou menos uns 1cm de sangue depositado, sem contar com o que derramou.

Achei tão fofo, aquele copinho me ajudando a me sentir mais livre e mais limpa...
Lavei-o novamente, terminei meu banho normalmente e coloquei-o de novo para dormir.
Amanhã de manhã vou ver como me sairei na retirada.

Como foi o primeiro dia, tudo é mais complicado até pegar o jeito. Daqui um tempo estarei expert em usar meu querido coletor menstrual.


2° dia

Acordei ansiosa pra saber como estava o copinho, levantei e já fui verificar a situação. Tudo sequinho, nenhum vestígio nos lençóis, no short.. nada.
Dessa vez retirei com mais facilidade. Talvez a minha dificuldade tenha sido pela tensão da primeira vez, mas enfim... derramei o que havia sido recolhido durante a noite, tomei meu banho matinal, lavei o coletor e recoloquei. Muito fácil de colocar, nossa! Nunca pensei que fosse tão simples.

Fiquei em média de 4 horas com ele e fui verificar. Como é minha primeira experiencia com esse copinho maravilhoso, estou analisando o quanto ele enche em determinados espaços de tempo.
Meu fluxo geralmente é muito intenso, e em 4 horas ele não encheu nem a metade. Isso é muito bom!

Fui pra piscina, e mesmo sabendo que não havia vazado nem uma gotinha sequer na calcinha, fiquei com medo de, sei lá... vai que vaza e eu pague mico... mas que nada.. foi super tranquilo e fiquei a vontade. Nunca imaginei que um dia iria pra piscina estando menstruada. Ah mas você me pergunta: "E nunca usaste absorvente interno, Lana?" Te respondo: -Já! e odiei. Vazou tudo e sem falar na porcaria que era a sujeirada que fazia. E o medo de ter algum problema de saúde íntima, também me fez parar de usar. Nunca mais!

Então estou aqui com meu copinho no segundo dia de uso e estou apaixonada. Recomendo a todas as mulheres que comprem o seu para sentirem a mesma sensação de liberdade que estou sentindo neste momento.

Ahhh... já estou expert em tirar e colocar ele, super fácil hahaha...feliz demais sem aqueles absorventes quentes e sem alergia e irritações.

Não perde tempo, não, mulher! Compra logo o seu. Se quiser saber informações sobre qual tamanho escolher, me chama no whats 85-996803080 que te ensino tudo.
Um super beijo!